Blog

Neurofeedback para Ansiedade e Ataques de Pânico

Compartilhe nas redes sociais

O uso mais comum do BIofeedback tradicional (EMG-biofeedback) nos últimos 30 anos tem sido o relaxamento e o gerenciamento do estresse. Por muitos anos, em psicologia e até alguns centros de reabilitação progressiva, o biofeedback tradicional foi usado para aliviar a dor no pescoço e nas costas, mandíbula, bruxismo (ranger de dentes), incontinência e muitos outros distúrbios da musculatura.

Embora essas técnicas ainda sejam usadas com grande sucesso hoje, o neurofeedback está sendo usado cada vez mais em combinação com o Biofeedback para aliviar esses problemas. Neurobiofeedback é provavelmente a maneira mais eficaz, não invasiva, livre de dor e livre de drogas para lidar com a ansiedade e ataques de pânico disponíveis hoje. A principal razão é que não há absolutamente nenhum medicamento sendo usado e, portanto, o paciente se torna capacitado para fazer e sustentar as mudanças, tornando-se mais preparado para lidar com a própria vida.

Neurobiofeedback é útil principalmente com vários estados de ansiedade que podem ser agravados por situações estressantes. Os estados de ansiedade incluem reações como ataques de pânico e fobias em um extremo, e problemas como ansiedade de desempenho e medo do outro. Quando a pessoa é desafiada a se comportar de alguma forma, o cérebro reage com uma vigilância excessivamente elevada que, na verdade, enfraquece sua própria capacidade de funcionar bem. Esse problema pode se agravar, à medida que a pessoa se torna ansiosa, observa a si mesma ficando ansiosa e fica ainda mais ansiosa. Em um momento de desafios futuros, a resposta de ansiedade pode ser mais prontamente estimulada por causa da memória de falha anterior no desempenho. O resultado é pânico e / ou ansiedade.

Uma vez que a ansiedade se torne familiar para você, é difícil fazer uma mudança consciente, pois somos pessoas de hábitos. A boa notícia é que essa condição responde muito bem ao treinamento de ondas cerebrais. Ao desafiar o cérebro a se regular melhor, ele também funciona melhor sob os desafios normais (e incomuns) da vida. Uma vez que o cérebro tenha sido treinado para auto-regular o mecanismo pelo qual se prepara para os desafios que enfrenta (a regulação da excitação fisiológica), então o cérebro não é mais tão vulnerável à espiral da ansiedade. Em outras palavras, uma vez que você aprende a andar de bicicleta, sem o medo de cair, você não tem mais medo de cair, saindo do seu próprio caminho e andando de bicicleta.

Durante o treinamento de Neurofeedback para ansiedade, o paciente é avaliado, o que permite ver padrões específicos de ondas cerebrais que podem ser consistentes com a ansiedade. Depois de ser identificado como um candidato a Neurofeedback, o paciente tem conhecimento das informações derivadas dos gráficos de suas ondas cerebrais e como elas estão ocorrendo. Esta é a parte de feedback do processo que permite ao paciente entender e fazer as mudanças necessárias para alcançar o sucesso. Então, se você se permite algum tempo para experimentar o processo o cérebro automaticamente busca atingir o objetivo de “vencer o jogo”. Este treinamento repetidamente desafia o cérebro a melhorar / restaurar seus próprios processos regulatórios internos, o que, por sua vez, permite ao paciente a oportunidade de estar novamente no controle.

O grau de dificuldade do treino de Neurofeedback   é iniciado em um nível que garantirá o sucesso inicial, tornando-se cada vez mais difícil, até que o indivíduo se torne proficiente.

Tal como acontece com outras aprendizagens, o processo é em grande parte realizado em um nível subconsciente, um nível de consciência que é associado a lembrar números de telefone e outras informações importantes que devem ser acessíveis com facilidade. Há também algumas razões para acreditar que também há algum envolvimento com a mente inconsciente em um  nível de consciência associado à memória de longo prazo. Afinal de contas, geralmente não temos consciência dos mecanismos pelos quais o cérebro regula suas próprias atividades. Isso é essencialmente feito para nós através do Sistema Nervoso Autônomo, que é o sistema que regula o piscar, respiração, digestão, etc. Se tivéssemos que monitorar e controlar essas atividades, não teríamos tempo para mais nada.

A boa notícia é que temos a capacidade de “tocar” neste sistema e piscar quando queremos, respirar mais rápido ou mais lento, etc. Isso significa que também podemos, com “feedback”, aprender a regular e até modificar nossas próprias ondas cerebrais. Isso também sustenta que esse processo não é totalmente subconsciente e / ou inconsciente. Em vez disso, há a percepção consciente das mudanças ocorrendo à medida que o treinamento prossegue. Por exemplo, o paciente geralmente observará momentos em que o padrão de ondas cerebrais reflete os estados de ansiedade existentes. O estagiário então traz suas habilidades para trazer esses estados sob controle. À medida que o domínio melhora, a pessoa ganha confiança em sua capacidade de controlar e regular esses estados. O nível de confiança melhorado apóia ainda mais o processo e permite que a pessoa trabalhe em um nível mais alto de dificuldade.

O aprendizado que ocorre deixa o cérebro em melhores condições de operar com calma e estabilidade. Após o término do treinamento, que pode levar aproximadamente de 20 a 40 sessões (possivelmente mais em casos graves), não é necessário nenhum esforço voluntário contínuo para controlar a ansiedade ou o pânico. Além disso, o treinamento também terá dado à pessoa habilidades que podem ser conscientemente empregadas para ajudar a mudar para um estado de alto desempenho mais relaxado e apropriado, que pode até mesmo ser usado para esportes ou outra forma de “desempenho de pico”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menu

Av das Américas, 500 – Bloco 13B – Sala 320 Shopping Downtown
Barra da Tijuca – RJ, 22621-090

© Copyright Clínica Neide Barros 2021. Todos diretos reservados.