Blog

Troca Letras

Compartilhe nas redes sociais

No dia-a-dia, realizamos facilmente atividades graças à habilidade de discriminação visual, que é a capacidade de identificar com precisão as diferenças e semelhanças entre objetos ou formas semelhantes. Em um   supermercado sabemos distinguir as diferenças entre tomates e caquis só de olhar. Do mesmo modo, somos capazes de identificar nosso carro no estacionamento ao lado de outros veículos.

Essa habilidade começa a se desenvolver muito cedo e desempenha um papel fundamental no aprendizado de crianças de todas as idades. Os bebês utilizam-na para reconhecer rostos de familiares e objetos que os cercam. A discriminação visual também é fundamental na matemática e na alfabetização.

Uma criança com essa habilidade pouco desenvolvida não percebe diferenças sutis entre letras como “q” e “p”, “u” e “n”, “d” e “b”; ou números, como “3” e “8”, “2” e “5”, “6” e “9”. Ela pode responder de cabeça quanto é “2 + 1” e, no entanto, não conseguir resolver a mesma operação no papel.

Essa situação pode gerar dúvidas, confusão, hesitação e frustração toda vez que a criança estiver diante de palavras e números escritos e não conseguir distinguir suas diferenças.

Mas, então, como ajudar seu filho de 2 a 6 anos a aprimorar as habilidades de discriminação visual e evitar a confusão entre letras e números semelhantes?

Assim como, quanto mais praticamos um esporte, melhor nos saímos nele, essa habilidade também deve ser exercitada dia a dia.

Dicas para treinar a discriminação visual!

Listamos abaixo uma série de atividades simples e divertidas para você praticar com seu filho e ajudá-lo a desenvolver essa habilidade.

No armário. Vá até o armário e diga à criança para pegar uma determinada peça de roupa (“Pegue a camisa azul de manga curta” ou “Pegue a calça preta”).

Comparando brinquedos. Os brinquedos das crianças são ótimas ferramentas para trabalhar a discriminação visual. Comece a atividade propondo a comparação entre apenas dois objetos. Vá aumentando a quantidade de itens para que a atividade fique mais desafiadora. Permita que a criança pegue nos objetos e sinta sua textura e peso: essas pistas físicas podem auxiliá-la.

Coloque dois carrinhos lado a lado e pergunte: “Qual é a cor deste? E deste?” “Qual deles é o maior? O azul ou o amarelo?” A brincadeira também pode ser realizada com crianças menores. Nesse caso, os pais devem explicitar as diferenças e semelhanças, dizendo: “Filho, veja como o carro amarelo é maior do que o azul!”

Se a criança fizer as distinções com muita facilidade, retire as “muletas táteis” e trabalhe a discriminação visual apenas com imagens: coloque diante dela dois cartões com ilustrações de objetos similares.

Caixa de areia. Se você já apresentou as letras e os números à criança, eis mais uma alternativa. Peça a ela para escrever aqueles que mais facilmente podem causar confusão, usando uma caixa de areia e o dedo indicador. Escreva a letra F e a letra T. Em seguida, diga: “Você viu como a letra T maiúscula tem um traço grande horizontal em cima, enquanto a letra F tem dois traços?” “Olhe só o ‘b’ minúsculo! Ele está com a barriga virada para a frente, enquanto o ‘d’ está com a barriga virada para trás.” Recursos sensoriais como a caixa de areia contribuem para que a criança identifique melhor as diferenças e semelhanças.

Formas geométricas. Recorte quadrados, retângulos e círculos – se tiver em casa, utilize formas geométricas de plástico ou madeira. Em um primeiro momento, coloque três quadrados iguais ao lado de um círculo. Pergunte à criança: “Quais formas são iguais? E qual é diferente?” Feito isso, peça para seu filho dizer a diferença entre as formas: por exemplo, o quadrado tem quatro lados, o triângulo tem três e o círculo não tem lados; o quadrado tem quatro pontas, o círculo não tem.

Jogo dos 7 erros. Quem nunca gastou um bom tempo tentando encontrar as diferenças entre duas imagens aparentemente similares, mas que, de forma proposital, guardam diferenças sutis entre si? Brincando de jogo dos 7 erros, a criança também desenvolve a discriminação visual.

Compras no Supermercado. Descreva a cor, a forma e a textura (se possível) de um determinado produto e peça para a criança encontrar e colocar no carrinho.

Em contato com a natureza. Peça para a criança observar diferenças e semelhanças entre flores no parque ou no jardim de casa, trabalhando questões como cor, forma e textura.

Se com as dicas, você não sente segurança em conseguir ajudar seu filho, procure um profissional especializado.

Com poucos encontros, virtuais ou presenciais você vai encontrar soluções!!!!

Agende um horário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menu

Av das Américas, 500 – Bloco 13B – Sala 320 Shopping Downtown
Barra da Tijuca – RJ, 22621-090

© Copyright Clínica Neide Barros 2021. Todos diretos reservados.